Pandemia: Uma luz em meio em meio às trevas

Existem muitas maneiras de servir ao próximo, inclusive permanecendo em casa e contribuindo com as normas de restrição. E se o momento é de trevas, faça isso, brilhe, seja luz, e não o interruptor que apaga.

Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar com QR CODE

“Pare o mundo que eu quero descer”, já dizia Raul Seixas. A questão é que o mundo está parando, mas a humanidade não tem para onde descer. Diante disso, cabe a nós olharmos para dentro de nós mesmos e cuidarmos do nosso emocional, pois a menos que sejamos arrebatados por Cristo e levados daqui, poderemos até nos isolar de tudo e nos esconder dentro de nossas casas, mas continuaremos presos a este torrão e sujeitos às aflições deste mundo. E sabe o que é, neste momento, mais perigoso que uma pandemia de Coronavírus? Uma pandemia de gente com ansiedade, depressão e angústia; um surto de pessoas desistindo de sonhar e falando só em caos, em número de mortos e contribuindo para disseminar fake news; uma onda de pânico alastrando-se pelas redes sociais através de áudios alarmistas e imagens perturbadoras que só colocam mais pilha em tudo isso que está acontecendo.

Então, se você não tem coisas boas para falar, simplesmente silencie, olhe para dentro de si mesmo, e ore, quando oramos, clamamos, e esse clamor eleva as nossas vibrações, e junto com essas boas vibrações, elevamos também a nossa imunidade e nos fortalecemos como um todo: “Mens sana in corpore sano”. Mas quando reclamamos, é como se clamássemos duas vezes diante daquilo que não queremos para nós. Ou seja, neste momento, é preciso que você cuide primeiramente do seu emocional e se fortaleça espiritualmente para suportar os desafios que virão; então, dedique um tempo para você mesmo, medite, exercite o espírito através da prática da oração e procure pensar de maneira positiva.

Desta forma, você brilha, e assim poderá contribuir para fazer brilhar a luz de outras pessoas. Como? Dando uma palavra de otimismo, evitando discussões desnecessárias, perdoando, reconciliando-se, compartilhando mensagens de entusiasmo, orando pelos necessitados, falando da obra redentora de Jesus, sobre os planos de Deus para salvação do homem, etc. Pratique a empatia, procure ajudar alguém que precisa; se puder, vá ao supermercado ou à farmácia por alguma pessoa idosa — mas seja prudente com as regras de segurança — e movimente-se na direção do bem. Existem muitas maneiras de servir ao próximo, inclusive permanecendo em casa e contribuindo com as normas de restrição. E se o momento é de trevas, faça isso, brilhe, seja luz, e não o interruptor que apaga, mas lembre-se: “Fazei tudo para glória de Deus” (1Co 10:31).

Baseado na reflexão compartilhada em áudio pelo terapeuta Wiliam Sanches.

Comentários