Como a ideologia de gênero tenta destruir a realidade?

durante milênios formos treinados para conhecer a nós mesmos, alguém que busca o alto conhecimento logo identifica-se com seu corpo...

Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar com QR CODE

Por: André Penaforte (Professor)

 

         Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Gênero (uma consciência e percepção de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico, não um conceito biológico objetivo.

         Ao nascer precisamos construir nosso eu, desvendar a nossa essência, e como falei na introdução dessa série, durante milênios formos treinados para conhecer a nós mesmos, alguém que busca o alto conhecimento logo identifica-se com seu corpo, compreendendo o que de fato é, sendo o nosso corpo o ponto de partida para conhecer o mundo que nos rodeia e são essas interações que construirão o nosso ego, a noção mesma de eu, agora imagine que durante essas interações engenheiros sociais estão te dizendo o tempo todo que você pode ser o que não é. Eles não estão interessado em te ajudar a se descobrir, mas em transformar você um produto da sua engenharia social, pois como deixei bem claro, a ideologia de gênero é um conceito sociológico e psicológico, algo criado pela engenharia social como um produto a ser vendido. Esses caras vão utilizar todos os gatilhos mentais e programação neurolinguistica para te fazer acreditar que enquanto homem você pode ser uma mulher, algo evidentemente impossível. Daí o desejo de obrigar o ensino dessa loucura na escola, onde encontraremos as mentes em formação, consequentemente vulneráveis a engenharia social. Vale lembrar o obvio: Não é por que você se acha um golfinho que você se tornará um golfinho.

         Esta perda de identidade leva a loucuras como seres humanos casando e mantendo relações sexuais com animais, sem a noção de identidade você não é nada, quem não é nada pode ser qualquer coisa, menos você mesmo. Conhece-te a ti próprio, nos ensina a sabedoria antiga.