ENEM põe uma mordaça em professores e alunos

Em meio a essa perda constante de liberdade, o que mais me entristece é o fim...

Compartilhe
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar com QR CODE

POR: André Penaforte (Professor)

               O ENEM é uma espécie de instituição centralizadora de poder, capaz de determinar o que você aprenderá ou deixará de aprender, isso por que o enem, salvo raras exceções, determina os conteúdos que serão cobrados para adentrar em todas as universidade do país.  Nesse aspecto eu não posso educar meus alunos, eu não posso versa-los nas artes da mente que lhes permitiria se tornar o melhor em si mesmos, o máximo que posso fazer por eles é ensinar os conteúdos para que façam um bom ENEM.

                Uma vez que o ENEM determina o que será cobrado para admissão na universidade, as escolas de ensino médio tornaram-se meros preparadores para a resolução da prova de seleção orquestrada pelo ENEM, é ele quem dita os conteúdos que serão ministrados nas escolas, eliminando qualquer liberdade necessária a formação do currículo, esse sistema algemou as mãos dos professores, impedindo que os mesmos gerassem soluções para os problemas que enfrentamos, os professores por sua vez, ao menos na maioria, acomodaram-se e aceitaram sem reclamar que burocratas no governo detenham tamanho poder, o poder de selecionar o que será estudado nas escolas. Um poder que deveria pertencer aos professores, ao menos aos poucos capazes de exercê-lo para o bem da comunidade no qual se insere.

                Em meio a essa perda constante de liberdade, o que mais me entristece é o fim dos vestibulares vocacionados, meu vestibular para biologia foi vocacionado, ou seja, levava em consideração a vocação do individuo, logo eu fiz apenas as provas das disciplinas associadas ao curso de biologia, não tendo feito provas de historia, nem geografia, nem filosofia, nem sociologia, esse sistema poderia gerar escolas vocacionadas, onde os alunos ao chegar no ensino médio e tendo conhecido todas as disciplinas no ensino fundamental poderiam escolher para qual área do conhecimento seguir. Cursando um ensino médio na sua área de vocação, tornando-se verdadeiramente grande naquela área, pois como já sabemos o ser humano só aprende o que ele quer, dai a vocação. Infelizmente o ENEM enterrou essas possibilidades, algemando o sistema e condenando-o a mediocridade.

                Espero que um dia possamos descentralizar os modelos de seleção para ingresso nas universidade, para que assim, possamos caminhar para restauração dos sistemas de liberdade que já funcionaram para formar as maiores mentes que o mundo já viu.